sábado, 31 de janeiro de 2009

all the night, toda a noite.

a noite é a nossa união. é o que interliga os nossos agitados corpos, entre abraços, olhares e palavras gritadas absorvidas pelas batidas sonoras da música alta. os sorrisos e todo o tempero das expressões faciais sempre pontapeadas pelas cores alternadas das luzes inconstantes, que dificulta o entendimento do motivo porque a tua língua popular tanto roça nos lábios. apetite, puro e cru apetite carnal. Um monte de corpos balançam-se e se movimentam, como se o chão fosse agua e o mínimo passo fosse um deslize. a música que os ouvidos amam só cria mais êxtase, loucura, a fusão da concretização com a ansiada satisfação. De faces já rosadas, do amor ao álcool, das quantidades ressacadas com que o ingeres, és um turbilhão de fogo sensual, sentes-te quente, tão quente. A popularidade é crescente, um cumprimento aqui mais uma piscadela-de-olho ali. estás no teu meio, e num estalar de dedos terias mais, se assim o pretendesses. Pelos amigos em comum vamos-nos cruzando, de noitada em noitada, de festa em festa. Sempre com o ponto comum do copo na mão, e o bichinho saudoso que nos interfere no sangue e produz as gargalhadas.

- tenho bués saudades de sair contigo, a sério.
- é, eu também.

sábado (e um post desnecessário).

Mais um dia com o piercing a infectar.
3 furos bons + 3 infectados = inicio de fim de semana cheio de Bacitracina.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

sem passo seguinte.

Eu recuei bem no tempo, numa viagem angustiante e dolorosa, voei mais rápido que flechas índias a sobrevoarem os céus até se cravarem no peito dos inimigos. Larguei as mentiras, as promessas, as marcas da vida-brincadeira, meti álcool nas feridas que ainda sangram, fechei os olhos ás acções traiçoeiras, apaguei desilusões e decepções. Amaldiçoei aqueles que me mandaram abaixo nos piores momentos, os que jurando a pés juntos que aquilo seria eterno e há ultima da hora pregaram um final humilhante. Apanhei do chão pedra por pedra, para não voltar a tropeçar, deixando de olhar para o caminho em frente como deveria fazer sempre. Arrisquei atravessar rios profundos sem qualquer ajuda, tudo para mostrar que sou capaz. Evitei ciumes, vinganças, sentimentos revolucionários, ódios e maus olhados alheios. Eu afastei-me dos palpitares impossíveis, das paixões platónicas, dos amores impossíveis, da esperança sofredora e das ilusões fantasiosas. Eu recolhi-me do bem e do mal, do óptimo e do muito mau, da alegria da tristeza, da melancolia e da agitação. Impedi-me que soubesse o que é uma vida, e afinal, sempre consegui. Porque este recuou no tempo saberia que o faria um dia, e tudo estaria de estar igual. Mas agora penso, e, valerá a pena?

.mp3

video

Música: All this time

De: Maria Mena

"No castelo ponho um cotovelo, em Alfama descanso o olhar"

17.30h
Um murmúrio baixinho, e na escuridão do meu quarto por reflexo abri um olho a custo. Como um gato experiente, concentrei-me em captar o barulhinho que se escutava ao de longe, forte e vivo porém. espreguicei-me e em passos curiosos desloquei-me até a porta do pequeno quarto que eventualmente em dias de festa servia também de arrecadação. a porta estava fechada, e num movimento cuidadoso e demorado abri-a, e pela porta entre-aberta, fui encadeada pelo calor, pelo som tanto ténue como voraz do canto, do fado. O som lambeu-me os lábios provocando que as palavras da música que tanto sei apaixonadamente a letra saírem. Havia fervor, garra, dor nas vozes que a cada pequena actuação enchiam o coração dos nossos habituais fregueses, da nossa imortal casa de fados. Recuei e vesti o meu camisolão vermelho de lã por cima da t-shirt que tinha vestido antes de adormecer, e voando na excitação e paixão saí do quarto e recostei-me na coluna aos fundos da aconchegada sala e com um sorriso desenhado nos lábios por lá me deixei ficar, aplaudindo e chorando por dentro de tamanho fascínio.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

a fúria.

É uma fúria fulminante, devoradora de sois privados. que ultrapassa densos mares, envergonha os versos pateticamente poéticos, o autentico ultraje que faz os dentes serrarem na pele branca como cal que tanto prefere fulminar na escuridão, repugnando o sol e toda a sua química construtiva. Já dizia Miguel Torga, é uma fúria de loucura mansa. penetra de mansinho no subconsciente, até perfurar todo o interior oco que se julga recheado de boa vontade. é uma fúria genuína, petrificante, incansável. saciada de juras e pormenores loucos e obcecados dos conhecedores da sabedoria frosca dos livros escolares e facultativos de zeros e informações baratas. uma fúria de origens desconhecidas, porém, forte ao ponto de rios ter secado à sua passagem e florestas tropicais ter secado. é uma explosão de inúmeros vagões de luzes multi-cores num só e pequeno espaço, mas ainda tranquila, pois decorre tão lançada, mas nunca chega ao ponto de partida.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

palmas para mim.

E após 2 dias de treino surreal, anuncio aqui e agora que sou capaz de fazer isto:

(só começa a partir dos 0:50, e vale bem a pena ver até ao fim quem não conhece)

bad day.

Cheira-me a dias mortos, em que as palavras são unicamente depressivas. angustiantes e tristes como a minha respiração, ao vapor gelado que sai do interior da minha boca com estas baixas temperaturas. Temos um país em alerta amarelo, por causa do mau tempo. então se assim é, o meu coração agora nem cor tem. esta transparente, todo o sangue saiu. está gelado, não bombeia sangue, não reage. está a morrer.
Ele sente a tua partida, as palavras difíceis que escolhes-te dizer-lhe. Fizeste-lhe crer que tudo foi uma ilusão, tudo foi falso. que dizeres que acreditasse foram mentiras, mentiras que praguejas-te para fora dessa boca que já tocou na minha. Arrependeste-te também de isso, da melhor noite da minha vida, do sorriso que ambos tivemos no rosto no dia seguinte. agora sinto-me ridícula. Ridícula pela excitação com que estive nos dias seguintes de estar tão feliz, do brilho que tive nos olhos naquela manha, das conversas que tive sobre ti em que dizia não existir alguém mais perfeito ao cimo deste planeta. tenho vergonha de ter achado que senti o contentamento do mundo, de o coração agora murcho ter batido tão forte e acelerado ao teu aproximar. Das nuvens passei ao interior da terra, onde tudo arde magoando e matando lentamente. Menos o coração, esse matas-te tu ontem. Hoje passei o dia a conter o choro, a raiva toda, sentindo um pesado funeral dentro de mim. E não puder fazer nada, porque tu já não me deixas.
Fizeste o certo em altura errada. Uma semana, e eu não te pedia mais nada.
mas tu cansaste-te.

sábado, 24 de janeiro de 2009

Brighter.

"A vida é 1 milhão de novos começos, movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo o sonho brilhar."

então deixa que as pétalas das árvores
rejeitem as folhas das flores
porque enquanto o sol surgir na noite
a lua será a luz do teu dia,
{na mortalidade da tua vida.}

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

.mp3


from David Hubert on Vimeo.

Música: Harder, better, faster, stronger - live record «Alive 2007»

De: Daft Punk

Realizador do vídeo: David Humbert

Nome do vídeo: "London (harder, better, faster, stronger)"

mais, mais uma das vezes.

Será este declínio uma forma de te substituir - e estar perto de ti, todos os dias e minutos das poucas horas? Hoje vi-te, mais uma vez, só mais uma das tantas vezes que os meus olhos repreendem os teus e tu perduras no silêncio. Sei, sinto mesmo que ainda mexo contigo. Observo a tua expressão de constrangimento quando surjo no teu campo de visão, sentes que o coração rebentou e és inundado por sangue a ferver, que queima, que arde na ausência de feridas. Estás feliz, dizes estar, demonstras estar, sinto realmente que estás. Então porque é que esse sangue fervilhante te congela o olhar, lança firmes e pontiagudos estalactites ao meu corpo - aquele que em segredo, disseste a ti mesmo que percorrerias; pelo prazer, pela descoberta - pergunto-me eu.
És criminoso, fizeste de mim cúmplice. Decidis-te corrigir o "erro", sem te entregares. De cúmplice passei a vítima, e tu sempre como criminoso vencedor. onde está a parte, em que eu recebo os louros da ilegalidade cometida?

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

dói-me a cabeça.

Quando a noite sempre pontual recai, os meus mais dramáticos pensamentos recaem também. porquê? Desculpa só saber falar de ti, mas fizeste de mim um pau de incenso que acendes-te e foste-te embora quando ainda estava a começar a queimar, a soltar o odor adorável e capaz de empurrar para fora de cena as hesitações minhas. Saber que agora não tenho aquilo com que sonho de noite, atormenta-me o interior. Sinto-me feia, desajeitada, vulnerável e incapaz. Tenho o corpo demasiado pesado, está recheado da amargura de um deserto onde, em sonhos, caminhamos os dois sem destino aparente. Seria capaz de correr atrás de ti, de cometer o crime de passar folhas de um livro á frente, só para dar um tiro certeiro na curiosidade e saber o final da (nossa) historia, que não este fim estranho e incompreensível que nos deste. Sei que fizeste o certo, mas o pecado já tinhas cometido, não podias recuar sem me preparares para mais uma das tuas acções rebeldes e imprevisíveis. Eu escalei a montanha das minhas ideologias de certo e errado, eu fui contra os meus princípios, tudo por ti - e por mim, também. O arrependimento não veio com a maré embater na costa, tanto da tua praia como da minha. Mas disseste-me que se eu quisesse, se eu te escolhesse, construiríamos o nosso castelo de areia, numa praia unicamente nossa. Errei, sei que sim. Dei-nos demasiada importância, e neguei-te o (quase) pedido. Confiei nas minhas intuições e disse-te que o castelo só seria formado após a descoberta da nossa praia, segredaste-me compreensão. Há descoberta da tal esperada praia, embalada pela brisa marítima e pela tua mão suave que faziam os olhos come-la da apetitosa insinuação de irreverencia. Foi nesse teu colo que adormeci, sentindo o quente da areia nas pernas desnudadas, mas na terra seca de uma floresta fabricada acordei. Contigo longe, em busca duma flor antiga, um amor-perfeito.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

famous.

Era jovem até, 19 anos, quando se lançou nas agências de manequins fotográficas e de passagens de modelos de pequenas marcas de roupa. Mas a determinação e um perfeito rosto fez dela a boneca sensação, e em meses teve tudo, alcançou aquilo que desde criança pretendia, quando calçava os saltos altos da mãe e passava tardes infinitas a procurar poses novas ou a ver o seu corpo mudar, tão depressa. A adolescência foi-lhe generosa, os traços perfeitos já lhe marcavam o rosto, os peitos cheios e salientes sem exageros ou desproporcionais ao resto do corpo. Era alta, de pernas firmes e ventre liso. Parecia trabalhada á mão, de tanto cuidado aparentar ter proporcionado. Foi ganhando popularidade na escola, participava em tudo o que era espectáculos e festas escolares. Tudo por amor á exposição, ás palmas, à admiração que pudesse causar nos outros. Não queria inveja, queria fama, dinheiro, ser a estrela mais brilhante de Hollywood. Abençoada com um gosto divinal, e a lealdade e simpatia eram pontos da sua personalidade. Ainda me lembro dos seus caracóis loiros, do brilho que emitiam sob as luzes fortes dos holofotes, do flash das câmaras e dos brilhantes dos seus vestidos. Maior ainda era o brilho dos seus olhos, um perigoso e absorvente cinzento, a alegria que transbordavam quando pousava ou se perdia no êxtase das passerelles. O tudo, parecia-lhe tão pouco. Não era invejosa ou insatisfeita por natureza, mas a consciência total das suas capacidades, a ambição de ser o centro do mundo, o reconhecimento da sua beleza infinita, faziam-na sonhar. Sonhar alto; alto demais - disse-lhe eu tantas, tantas vezes. Sem se dar sequer ao luxo de provocar, adquiria olhares loucos, desejosos, sexuais e famintos dos homens. Tinha os amantes que queria, companheiros de uma noite apenas, não se atrevia a responsabilidades de algo que fosse para além disso. A sua vida era a fama, o glamour, o carrocel-vivo de uma agenda lotada sem 5 minutos livres.
Mas a sua sorte mudara de direcção sem aviso prévio. A má sorte cambaleou para os seus braços, e inevitável foi mudar esse rumo. Deixou Andorra, Milão, Nice e Nova Iorque, voltou para o país natal. Para a família que não visitara á mais de 10 anos. De rosto pálido bateu há porta de casa, e para sua sua surpresa, a mão fora-lhe estendida. Perguntaram porque voltara, mas uma resposta jamais foi-lhes dada, quando era tão fácil adivinhar ...
envelhecera.
E alguém mais novo a substituíra.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

seguindo.

{de mim para mim, e para a diana.}
Mais erros me recuso a cometer,
Por tudo novamente pretendo lutar
É como preferir morrer
A mais uma lágrima (por ti) derramar.
Foste o amor que perdi
Algo que doeu, e nunca esqueci
Mas no fundo tudo é passado
E agora já te quero mais a meu lado.

Não me admira essa tua falta de amor por mim,
se eu sou tudo aquilo que tu não tens.
são vidas, complicações
foram amores e confusões.
agora apenas serão,
paginas recordáveis
de palpitares insaciáveis.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

mulher me tornei (?)

Procurei uma simples fuga á rotina. Era final de dia, um dia «normal» se assim poder banalizar os meus dias. Sentia-me exausta, estafada, suja. Curiosamente, e para minha sorte tinha a casa vazia. E assim era como pretendia que o meu interior se sentisse: vazio e limpo. Fechei janelas, estoures embora a luz que penetrava a casa - por aquela altura do dia - já nem fosse abundante. Tudo escureceu aos poucos. Via nada, pensava em nada, o odor igualmente a nada mas esse decidi interrompe-lo pelo odor sublime a alfazema e morango vindo das velas que espalhara no Hall, casa de banho e plo meu recanto - o meu quarto. Entrei na banheira de agua quente, bem quente. No meio daquela escuridão. O corpo nu ajustou-se á espuma pouca e por lá adormeceu, sentindo o alivio da camponesa que toda a vida trabalhara a lavrar as suas terras ao morrer. E por horas passadas igualmente adormecidas pelo silêncio da casa, de mim, lá me deixei ficar. O prazer porem deu ar de sua graça e começou a esfriar a agua, e eu saí. Enxaguei os cabelos ao toalhão e por sua sequência o corpo ainda morno da temperatura inicial da agua. Olhei de relance o roupão, seda indiana de um transparente em tons salmão, mas por lá o deixei ficar. E nua saí da divisão. Senti a mudança de temperatura ao encontrar-me no Hall «O inverno veio para ficar.» pensei enquanto a minha pele se arrepiava e os meus lábios salientes secavam. Dirigi-me ao quarto e o proporcionei a mim mesma o prazer de ouvir o concerto de Mozart em clarinete enquanto me vestia. Oh doce suave som, que revoluciona o meu corpo desde os dedos dos pés até as papilas gustativas da minha língua! Em movimentos lentos deixei a alma tomar conta do corpo e ao de leve balançar-me, meia volta e caí na cama. O pequeno sorriso foi inevitável. Os violinos soaram, e o meu rosto tornou-se tenso mas ao mesmo tempo descontraído. Percorri com as mãos, sem olhar, o meu corpo de alto abaixo. «Já não sou uma criança, avó» rebolei pela cama e deitei a cabeça na almofada molhando-a com as pontas do cabelo ainda húmidas «Sou uma mulher, com corpo de mulher.» num pulo levantei-me e olhei-me no espelho de pé perto da cómoda, prendi o cabelo num emarafanhado á pressa, para uma visão melhor de toda a área da cara «Uma mulher ainda com cara de menina... uma menina de sorriso fácil...», deixei-me escorregar para o chão, sendo o silencio traído pelo abafado som de um sentar desajeitado «...e de lágrimas fáceis também.»

(gargalhadas)

Deixem-me rir.
Por favor, esqueçam as criticas desnecessárias. permitam-me rir com prazer sempre que tiver vontade.

D'um detalhe ofereçe ...

O prémio Irreverência para:
- o Blog «Como uma apóstrofe.», pela imaginação fértil nas ideias simples em cada texto.
- o Blog «Cheirinho a café», pela grandeza das sensações e emoções expostas em tão pouco.
- o Blog «Expressividade», pelo empenho subtil na arte da escrita tão forte, alegórica e intima. capaz de fazer a cabeça concordar após a leitura.



O prémio Dardos para:
- o Blog «peaceful melodies», pela harmonia da escrita e a lasca de revolta de querer algo melhor em cada texto.
- o Blog «um chocolate á chuva», pela verdade em cada palavra e sinceridade por cada maravilhoso texto.
- o Blog «first love», pela magia que é despertada ao fim de um texto lido.
Continuem,
MafaldaMacedo.
(a autora)

domingo, 18 de janeiro de 2009

things ..

Há pessoas que são autênticos espelhos, olha-moas e vemos-nos a nós. Como uma fotografia bem tirada, um impressão exacta de um texto original. E quando as certezas foram achadas, descobrimos que afinal era «fogo de vista» e as certezas eram afinal mais enganos e ilusões no mar revolto da madrugada de um futuro. Bem longe.

sábado, 17 de janeiro de 2009

E ponto final.

O meu acordar é peso.
Peso nos teus ombros. Por ti, não voltava acordar.
Mas acordo, e não tens a importância suficiente para loucuras por ti cometer.
Que queres que faça então? vaguei-o noites fora, . completamente só.
Não te chega?
como é que me consegues pedir (ainda) mais?

Isto a que chamas vida perdeu sentido, não receberia 1 cêntimo sequer por tal.
Nem aceitaria, até o inútil tem preço. Bom preço, muito bom.
Se sou reles como dizes, então esquece-me.
Deita fora os presentes oferecidos, elimina as nossas fotografias que apenas ocupam espaço no cartão de memoria da maquina. Cancela os objectivos futuros e rejeita a saudade que eu sei (e muito bem) que sentes.

Fecha de uma vez o livro. sabes bem qual. O que escrevi só para ti, a teu eterno pedido. «Escreve só para mim, perdura a tua imaginação em mim e solta-te. acaba e dedica-mo, será perfeito. somente por ter a nossa inigualável essência»
Conheço-te bem demais, sei as vezes que por dia te perdes a folheá-lo. O esforço que fazes para conter as lágrimas, só por medo que o arrependimento surja nesse coração de pedra.

És livre, és a mesma mulher. Então segue, vive o que achas que deve ser vivido. Mas por favor, eu peço-te ... se é o que realmente queres. Não voltes, estou cansado.

na estufa.

É a pensar em ti que ocupo o pensamento, naquelas tardes de céu aberto mas frio a estremecer as ruas, passadas na estufa a beber chá de cidreira com o licor das cerejas á mistura, sentada no banquinho branco de jardim interior a olhar para as plantas e flores que eu própria ajudei a crescer ajeitando-lhes a terra macia, cantando para elas nas manhas de verão quando o calor dava indícios de chegar cheio de força e intensidade. Por vezes, perdida nos meus momentos de «cabeça limpa» sobre o chão sento-me sentindo o frio do azulejo nos pés descalços, e desenho um trilho percorrido, atravessando o infinito da praia que cheirava a jasmim. Por vezes em momentos mais nostálgicos, acordo a meio da noite e corro para a estufa e encosto a mão ao vidro transparente molhado, das chuvas de Abril que devem estar para acabar. Acaricio com a outra a barriga saliente de futura-mamã, esboço um sorriso jovil ao ver a moldura com a tua fotografia, mesmo ao lado dos lírios brancos e das margaridas. Distraída muitas vezes mostro o retrato ao bebé no meu interior, digo-lhe que um dia também ele sentirá o teu cheiro característico: canela e maresia. Basta que o mar te traga de volta para nós, como me prometes-te á uns bons e infinitos tempos. E enquanto esse dia não chegar, mantenho-me sonhadora na (minha, nossa) estufa. Reconfortada pelo odor das flores e pela visão permanente da lama na entrada da porta, das tuas botas gastas que tinham tão bom ar quando tas dei naquele aniversário. Volta amor meu, a saudade do teu caloroso beijo já me bateu á porta, e que quero tanto abrir-lhe a porta...

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

conheçedores.

"A miséria de uma criança interessa a uma mãe, a miséria de um rapaz interessa a uma rapariga, a miséria de um velho não interessa a ninguém. "
Victor Hugo.

"A verdadeira viagem da descoberta consiste não em buscar novas paisagens, mas em ter olhos novos."
Marcel Proust.

"A tristeza pura é tão impossível como a alegria pura."
Leon Tolstoi.

"O desespero é uma quimera, o que o torna tão semelhante à esperança"
Sandor Petofi.

"A vida é como um sonho; é o acordar que nos mata "
Virginia Woolf.

"Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe."
Oscar Wilde.

"Não te separes das ilusões. Quando elas se forem, talvez continues a existir, mas é certo que já não viverás."
Mark Twain.

"Eu não procuro saber as respostas, procuro compreender as perguntas."
Confúcio.

"Toda criança é artista. O problema é como permanecer artista depois de crescer."
Pablo Picasso.

"A melhor das vidas é uma solidão atarefada"
Voltaire.

.mp3



Música: El Tango De Roxanne
De: (autor desconheçido)

{video do filme Moulin Rouge. é só sentir o piano e a força, e logo se ama.}

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

oriundos.

As folhas já assentaram no solo, na terra batida molhada das ultimas chuvas primavis. Sobre ela já passeei, dormi, sonhei e chorei. Chamas-lhe lama porque desconheces, que desta terra todos nós viemos. Como puras sementes ingénuas lançadas ao acaso, largadas e abandonadas a sua própria sorte. Forte nos tornamos, alimentados pelas gotículas de orvalho, encorajados pelo sol lá no alto. Crescidos nos tornamos, da terra empurrados a sair e autonomamente partir. Quando após as primeiras estações mais complicadas, muitos esquecem as origens simples e delicadas. Que o que bate dentro do peito é ainda uma sementinha a desabrochar que não deve ser cuidada por qualquer um, e a água oferecida não poderá ser nem a mais, nem a menos. Simplesmente a quantidade certa com a responsabilidade de não poder haver mais enganos.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

andar á deriva.

Está frio. Agora só me falta perceber, se é interior ou exterior ...

Obrigada meus queridos, têm feito milagres.

it disappears.

Esta é provavelmente a ultima vez que sobre ti escrevo. O ultimo desabafo e expor de ideias que tento aclarar, num pensamento persistente em ti. E porquê? Porque hoje vi-te. A primeira vez este ano - como se fosse assim tanto tempo. mas para o meu coração, é sem duvida muito tempo. Enquanto não te revia, as batidas eram lentas, mal as sentia empurrarem-me o peito - e foi um «tudo» e «nada» que tive a escorregar-me por entre os dedos. Não esperei que falasses, muito menos um sorriso, apenas um olhar. Aquele que me pedias que não fizesse quando estávamos juntos, porque era estranho, era "diferente". Na altura apeteceu-me fugir, meter-me num buraco negro no chão e por lá ficar, por lá morrer se não fosse pedir muito. Mas agora pensativa, com ideias mais límpidas, tal assunto discutido com um amigo, o sofrimento a leste por um bom tempo... Após tudo isto, agora, sei o que realmente queria. Cair nos teus braços e por lá me enterrar, subestimar a perfeição, dizendo que tenho tudo.

Eu sei que não voltas. Por vezes já duvido que queira realmente. Há demasiadas ilusões e erros para perdoar, uma verdadeira luta «á antiga» para fortalecer. E eu duvido, de que sejas capaz.


"Eu acho que te conseguia fazer mais feliz."

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

.mp3



Música: I hate this part
De: Pussy Cat Dolls

{sempre referindo que o que importa é o video, não a música.}

Olhar dos pobres.

Densos os seus corpos, de sujidade desconfortável cobertos, expostos a comentários e pena dos ignorantes. Os novatos escondidos, em prédios abandonados ou ruas esquecidas; devido á vergonha, á sensação constrangedora de pânico por não saber ao certo o que lhes espera, e a tristeza intima, do ponto a que chegaram. Esmola é pedida timidamente, sem olhar nos olhos dos pseudo-generosos e um "obrigado", quando dito, tão baixo que mal se ouve. Uns mais conformados outros ainda revoltados, com a negação sempre presente a ferver no sangue, o pensamento "não merecia isto".
Os experientes destas andanças encontram-se a vista de qualquer um, pedir esmola, pedinchar amigavelmente aos empregados dum café na natural busca de alimento por mais raquítico que seja. É como um género de profissão, um habito adquirido que jamais possível será esquece-lo. Contudo, e embora os rabugentos ou loucos, a sujidade da falta de lavagem no corpo, não chega ao coração. São mendigos, pobres, mas muito mais que nós sabem. E sortudo seria aquele, de tamanha maravilha que recebia, que o escutasse. Soaria como uma canção profunda, sentindo-se criança outra vez de tão pouco desse mundo fora conhecer.

encontrado.

Um corpo desconhecido
Num plástico metido
Encontrado numa ruela
Lá para zonas de Cabrela.
Seu rosto envelhecido
De tudo o que foi vivido.
Terá o homem desistido,
Ou pela vida esquecido?
É então mais uma historia
Uma duvida do passado.
Porém a poucos importa
Porque razão está a pessoa morta
Julgam um motivo duvidoso
"Quiçá foi criminoso?"
Para a morgue levado
Pois tal corpo não foi procurado
Na terra penetrado,
E um sonho inacabado.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

1º Dia.

O receio do que sentirei ao voltar a ver-te, assusta-me. Corta-me a respiração por momentos e faz as minhas mãos ainda quentes de tanto ter sentido as tuas, tremer. Acordar é uma dádiva, principalmente se esse mesmo acordar for após um sonho contigo. Assim, acordo e as borboletas logo param de bulbucionar palavras irritantemente cativantes e de voar aos tremeliques. São tantas as folhas de papel escritas caídas em redor da minha cama. Poemas e mais poemas, todos pensados em ti, em mim, nos outros (?) Começo-me a fartar, o assunto é sempre o mesmo: amor. Será realmente possível o tema mais banal e complicado do mundo, ser o menos interessante aos olhos de tantos porém tão façil de escrever? Só preciso de forças para parar a caneta sempre a deslizar, ordenar que a cabeça pare de uma vez por todas de relembrar anciosa, explicar ao coração que não deve estar sempre tão angustiado dos medos e saudade ou felicíssimo a palpitar tão forte provocando-me um sorriso nos lábios o resto do dia. A realidade é que também já não és só tu o que me habita cá dentro do peito, há sempre mais. Sou uma apaixonada por natureza. Gosto e amo toda a gente, até quem não devo. Mas isso é um clássico, mentira? Não me recrimino por isso. Sou assim, um "assim" de que tu não gostas-te. E após uso de qualidade e tempo demais mandas-te fora, como se de comida fora de prazo se tratasse. Até os meus papeis escritos que não me agradam trato melhor ... Mas eu compreendo-te, acredita que sim.

Isto é só magua e revolta. De ter pisado o risco, ter consciência disso, e mesmo assim deixar-me levar e acariciar pela brisa de contentamento físico. Que ao ouvir a tua negação, me apercebi que já não era somente físico. E tu nunca soubes-te isso, nunca percebes-te. Se virmos bem, pouco ou nada sabias sobre o que realmente sou e eu sobre ti também apenas sabia algumas coisas. Não o suficiente para te conseguir manter ao meu lado, senão ainda cá estarias. Mas já passou tempo suficiente para, pelo menos, não sofrer como nos primeiros tempos. Agora apenas fica a saudade e a incógnita, de como será a reacção dos meus olhos quando te virem novamente, após todo este interminável tempo.

domingo, 4 de janeiro de 2009

.mp3

video

Música: I miss you love

De: Maria Mena.

D'um Detalhe informa ...

Sempre aberto a novas ideias, o D'um Detalhe inicia hoje um espaço novo chamado «.mp3». Tendo como objectivo a postagem semanal de um vídeoclip musical, em que os principais aspectos a ter em conta é tudo menos a musica em si. Mas sim como por exemplo a originalidade do vídeo, cores e tons, a sucessão de imagens, os sentimentos sentidos após o seu visionamento, algum detalhe em especifico, etc.
Espero que gostem,
MafaldaMacedo.
(a autora)

Last night.

O silêncio instalado na divisão da casa fala por mim. Silêncio escutam os meus ouvidos, silêncio produzem os meus lábios, em silêncio está a minha mente., em branco, em paz. Esboço um largo sorriso. Oh como sabe bem esta sensação. Estou sentada onde os meus olhos julgaram ser o meio da sala completamente vazia. Sinto-me como esta sala: livre. E contente. Por tal como ela, espero com uma ansiedade aguçada e saudável a novidade-boa que nos dará recheio.

Na cabeça uma imagem.. Incrivelmente doce e cativante. Os teus olhos postos nos meus, contemplando o óbvio, que te quero para sempre a meu lado. E aquele sussurrar ao meu ouvido que me aqueceu a alma num milésimo de segundo "Eu amo-te". Juntando-se a este vapor de lembranças, a tua mão calma que me afagava a cara e os braços firmes que me abraçaram noite fora. Uma ultima, quiçá a melhor de todas elas. O teu beijo. Tão ardentemente suave e apaixonante. Com a essência do prémio máximo: seres somente meu.

Regressei no tempo, com um sorriso ainda maior no rosto e um cansaço negativo desta curta viagem. A que mais tarde entenderei como a da minha vida, por ser indiscutivelmente, a mais rica.

Abro os olhos, e sinto-os húmidos. Não, não é choro. É o brilho próprio deles outrora desaparecido, que regressou. Um brilho um pouco diferente. Especial, a meu ver. Porque toda a vida, lhe dei o nome de felicidade.
E foste tu, o (meu) herói, que o trouxe de volta.

Onde é que eu estou?

Se isto fosse um videoclip eu estaria em frente a um espelho e perguntaria, como se o tudo e o nada me escutassem, "Onde é que eu estou?". Num quarto todo bem decorado, embebecido em tons rosados e bejes, sentada sobre a minha cama com um daqueles espelhos de mão, fixando apenas os meus olhos desmaquiados, a perguntar "Onde é que eu estou?". Se este momento fosse um videoclip eu estaria em pleno pranto descontrolado a ver fotografias minhas de adolescência, e perguntar "Onde é que eu estou?". De vestes negras, percorrendo a igreja vazia. Sentar-me-ia no banco de madeira da frente a suplicar a «Deus nosso senhor» que me encontre. Porque eu em tempos perdi-me, e agora já não me conheço.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

basta viver

Há sempre aquela sensação de "começar de novo". De mudar o que nos corre mal, de cuidar melhor ainda das feridas interiores que os anos passados nos vão provocando. Esquecer as maguas, as noites choradas, os dias cruéis que a memoria se vinga fazendo-nos recordar estes a cada hora feliz. E logo nos estraga os ânimos. Virar o mundo de pernas para o ar se for necessário, desde que os erros cometidos parem de uma vez por todas de se continuarem a fazer sentir na pele. Deixar de ter a sensação que persistentemente setas pontiagudos nos picam a esperança, para a furar e voltar a furar, com o objectivo de ser só mais um pano roto no lixo. Não querer mais em certos momentos termos sido cegos, surdos e mudos. Para não escutar as palavras proibidas que foram maldosamente prenunciadas, para não nos deixarmos levar pelo sentimento de desgaste e dizer o que não era correcto ser prenunciado mas as forças faltaram e a força de vontade de querer seguir em frente, para não vermos as lágrimas nos olhos dos outros que apenas lá estão por nossa causa. E provavelmente nem as merecia, mas estão lá e a culpa é inteiramente nossa. Parar de uma vez por todas de agir sem pensar, aquilo que as nossas auto-desculpas chamam de "pensar de cabeça fria". Foram demasiadas vezes que quisemos que existisse um botão que faria o mundo parar naquele preciso e exacto momento, nem que fosse só uns instantes, mas ao menos tínhamos espaço e tempo para respirar e pensar. Sem ter a sensação real de que o tempo que demoramos a fazê-lo, pode fazer toda a diferença. Mudar tudo. Sermos responsáveis ao ponto de sabermos sempre o que queremos, sem haver duvidas, e ao lutar termos o que mais queríamos e sermos, então, felizes com isso.
Quantos anos já vivemos? Quantos valeram realmente a pena? Será que foram assim tantos como aparentam, ou foram afinal de contas escassos...? Perguntas teremos sempre na cabeça, o coração doará sempre, o sorriso nunca existira nas nossas caras eternamente. Mas querer mudar é bom. É no mínimo, e ser mínimo nem sempre é mau até pelo contrario, é no mínimo a indicação própria de querer lutar e seguir com algo melhor. Porque merecemos, provar ao mundo que o tempo mau e os erros cometidos embora sofredores, não foram em vão. Foram úteis para aprendermos, crescer-mos como pessoas que somos e serão um dia, finalmente, compensados. E mesmo com os altos e baixos sempre garantidos, não fará mal. Porque somos felizes embora tudo.

2009, começa só quando eu disser.

Dou inicio então ao meu ano, com esta frase ..
"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim."